Câmbio Store na mídia
Terra press releaseStartSe press releaseInfoMoney press releaseGlobo News press releaseAbra seu negócio press release

Conversão rand real. Sem taxas escondidas.

Você pode levar horas para encontrar a melhor taxa de rand áfrica do sul. Economize seu tempo e dinheiro. Nós mostramos em tempo real as melhores cotações das casas de câmbio da sua cidade.

Rand África do Sul comercial nos últimos 30 dias.

Loading...
mapa rand-africa-do-sul hoje

Melhor cotação de rand áfrica do sul hoje.

Realize sua troca com a melhor cotação de Rand África do Sul em nossa casa de câmbio online. Negociação sem barreiras geográficas.

rand-africa-do-sul hoje seguro

Rand África do Sul 100% seguro com parceiros autorizados pelo Banco Central.

Você será notificado(a) via e-mail a cada estágio da sua compra ou venda de rand áfrica do sul. Além disso, você pode acompanhar pelo nosso website de onde estiver.

Não fique com
dúvidas

A Câmbio Store tem um Centro de Suporte completo para te ajudar em suas dúvidas e te auxiliar com a melhor experiência em rand áfrica do sul.

Central de Ajuda e Suporte

Algumas dúvidas frequentes

Saiba tudo sobre o Rand Sul-Africano

Rand Sul-Africano

O Rand Sul-Africano (símbolo: R; código: ZAR) é a moeda corrente e oficial da África do Sul. Ela é também utilizada na Namíbia, Lesoto e na Suazilândia, que apesar de possuírem moedas próprias, fazem parte da área monetária junto à África do Sul.

O rand sul africano é de responsabilidade do Banco de Reserva Sul Africano. As moedas são encontradas nos valores de 10, 20 e 50 centavos, além das moedas que correspondem a 1, 2 e 5 rands, e também o krugerrand. O krugerrand foi introduzido em 1967 como um veículo para a propriedade privada do ouro e ele consiste em uma moeda que auxilia no comércio do ouro sul-africano. No ano de 1980, ela chegou a representar 90% do mercado mundial das moedas de ouro. A moeda recebe tal nome por possuir a imagem de Boer Paul Kruger, ex-presidente da República da África do Sul.

As notas de banco do rand sul africano estão disponíveis nas denominações de 10, 20, 50, 100 e 200 rand. As primeiras séries da nota carregavam a imagem que acreditam ser de Jan Van Riebeeck, o primeiro administrador da cidade do Cabo. A partir da terceira série (1992), o rand sul africano passou a ilustrar em suas notas bancárias a imagem de rinocerontes, elefantes, leões, búfalos e leopardos. A última série lançada no ano de 2012, trazia no anverso de todas as notas a figura de Nelson Mandela.

Origem e História do Rand Sul Africano

O nome Rand deriva de Witwatersrand,a escarpa sul-africana de onde foram encontradas extraordinárias quantias de ouro no passado em pontos situados a apenas 5 km oeste do que viria a se tornar a cidade de Joanesburgo. O Rand enquanto moeda foi introduzido durante o período da União da África do Sul, no ano de 1961 (apenas três meses antes da criação da República).

A moeda surgiu em substituição da libra sul-africana. Apesar de ocorrida a alteração em 1961, a proposta de criação de uma moeda que afastasse o pence, os xelins e as libras da economia sul-africana data do ano de 1956. Durante a transição da libra sul-africana para o rand, houve uma campanha publicitária massiva, com a introdução de Dan Desimaal ou Dan Decimal - o homem do centavo -, o personagem que surgia para informar à população sobre a adoção da nova moeda.

Ao longo de seu histórico cambial, o Rand enfrentou sérias dificuldades, iniciadas ainda nos anos de 1980 por consequência da alta inflação e da crescente pressão política vivida pelo país. O cenário torna-se ainda pior com as sanções impostas à África do Sul devido ao apartheid.

O início dos anos de 1990 não trouxeram melhorias; as incertezas sobre o futuro do país fizeram acelerar a depreciação do Rand-Sul Africano, junto a uma sequência de eventos internacionais que influenciaram o seu valor diante do dólar. O primeiro deles surge junto a eleição de Tito Mboweni como responsável pelo Banco de Reserva Sul Africano; logo após, há uma controversa proposta para a reforma agrária no Zimbábue e por fim, os ataques de 11 de setembro, que impulsionaram a sua baixa histórica no ano de 2001.

A depreciação ocorrida no ano de 2001 levou a uma investigação formal que auxiliou na dramática recuperação do rand sul africano. No entanto, não há um quadro de melhora considerável com o passar dos anos. No ano de 2001 a paralisação no setor de mineração levou a novas baixas; após as medidas tomadas pelo Reino Unido para deixar a União Européia, o rand voltou a cair, em partes devido a um retiro financeiro global das moedas consideradas arriscadas (para o dólar) e também com as preocupações de como a saída do Reino Unido afetaria as relações comerciais e a economia da África do Sul.

O Goldman Sachs apresenta um estudo onde aponta a dívida e a corrupção existente no país como os principais riscos a economia sul-africana e ao rand. Por estes fatores e todos os já mencionados, a África do Sul permanece suscetível aos investimentos estrangeiros e depende do dinheiro de outros países para cobrir o seu déficit comercial.

O Rand Sul-Africano comercial

O rand sul-africano comercial está enquadrado em um segmento do mercado de câmbio conhecido como “mercado de câmbio de taxas livres”. No mercado de taxas livres, somente o Banco Central e as agências bancárias poderiam operar. Até 2005 quando ocorreu a unificação dos mercados, o mercado de câmbio de taxas livres compreendia um mercado individual; atualmente, ele pode ser visto como um segmento do mercado de câmbio brasileiro, onde opera a moeda em sua versão comercial e são realizadas as principais operações de comércio exterior e transações entre governos.

O Rand Sul-Africano turismo

O rand sul-africano turismo é a moeda que deve ser obtida para viagens à África do sul, sejam elas turísticas, profissionais ou estudantis. É através do rand turismo que são obtidos produtos internacionais em sites precificados com a moeda. Diferente do que ocorria no mercado livre, o rand turismo pode ser comercializado também por agências turísticas, casas de câmbios e outros agentes. É necessário, no entanto, obter a autorização do Banco Central para operar. Há uma pequena diferença no valor do rand comercial para o rand turismo; não há uma taxa estipulada a ser cobrada pelas transações cambiais e neste caso, as intermediadoras tornam-se as responsáveis por estipular o preço da moeda.

O mercado paralelo do Rand Sul-Africano

No mercado paralelo do rand sul-africano, a moeda é comercializada por indivíduos e/ou agentes que não possuem a autorização do Banco Central para operar enquanto agentes de câmbio. O comércio paralelo de moedas estrangeiras configura uma prática ilegal e passível à punição, com dinheiros muitas vezes oriundo do tráfico de drogas, lavagem de dinheiro e, no caso brasileiro, da corrupção.

Os impostos incidentes na compra do Rand Sul Africano

Na compra de moedas estrangeiras há a incidência do IOF. Ao obter o rand sul-africano em espécie, a alíquota referente ao imposto é de 1,1%. No caso de créditos para cartões pré-pagos, o valor corresponde a 6,38% de IOF (Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguros). As remessas internacionais 0,38%.